Correio da Bahia: Ayrton Senna dirgia um templo móvel

INTÉRPRETE DA TRANSFORMAÇÃO
Cássia M. Candra, Correio da Bahia – ORÁCULO, Salvador BA / BRASIL, 1 de junho de 1999

 

Como seria a Terra se pelo menos a metade dos seus seis bilhões de habitantes tivesse desenvolvido habilidades paranormais? A capacidade de antever acontecimentos, de potencializar talentos de .vidas passadas e contatar seres de outras dimensões não é fruto de um delírio coletivo, mas um dom adormecido que o sensitivo holandês Martien Verstraaten desperta nas pessoas. Esta é a função de um treinador espiritual. Como se fosse um arqueólogo da alma, Martien, 53 utiliza suas faculdades paragnósticas para desvendar as destinações inconscientes dos que ainda não compreendem  seus mistérios. Ele é o interprete de suas transformações.

Em palestra no próximo dia 16, às 19h30, na Casa do comércio, este paranormal que dispensa estereótipos – ele fuma, come carne e se esbalda nas pistas, dançando salsa e outros ritmos caribenhos – vai falar sobre a utilidade dessas coisas. Depois da palestra, Martien se concentra no workshop para ensinar aos participantes a aplicação dos poderes inatos que eles tem e não sabem como usar. Telepatia, intuição e carisma são algumas destas forças que ele faz com que fluam em si mesmo, desde garotinho. É um autodidata. Cresceu sem conhecer a fronteiras dos universos paralelos e decidiu usar seus dons para ajudar as pessoas a descobrirem os seus.

Martien Verstraaten surpreende pela capacidade de tratar o invisível com desconcertante simplicidade. O que acontece quando ele decide pôr seus penetrantes olhos azuis sobre os de quem o procura para uma consulta é difícil de descrever. Parece que olha na alma para perguntar a ela em que país e período aconteceu sua última encarnação. O consulente responde, não sabe de onde tira a resposta e, depois, a impressão de que falou por falar se desfaz quando o carismático vidente reúne uma serie de argumentos científicos. Com esses dados inconscientes constrói uma história contextualizada relacionada com todos os pontos-chave da vida atual de seu cliente. Não é vodu nem metodologia extraterrestre. Martien explica: “O conhecimento está dentro de cada um de nós. Eu olho para as pessoas e elas parecem me dizer – por favor, acorde-me. É isso que eu faço!”

No carro, com Senna – E para quem tem clarividência, essas pessoas de quem ele fala não precisam estar necessariamente nesta dimensão. Uma delas o procurou, ano passado, dizendo que precisava compreender certas coisas um tanto misteriosas e aprender a manipular determinadas energias que ainda não conseguia. Embora a tal pessoa já tivesse desencarnado [i], ele conta que a consulta aconteceu tal come se o consulente estivesse ainda neste mundo. Martien colocou sua cadeira diante dele e começaram a conversar. Foram três encontros, mas só no segundo ele soube que se tratava do ex-campeão mundial de formula 1, Ayrton Senna.

A paranormalidade do Sr. Verstraaten o permitiu acompanhar o piloto brasileiro, morto em um acidente no circuito de Ímola, na Itália, em 1994, até seu carro (ele explica que é possível configurar objetos no universo astral). “A atmosfera, a energia que percebi dentro do carro dele, era a mesma energia do interior de uma igreja. Senna dirigia um templo móvel. O carro era uma metáfora e Ayrton, um relações públicas do poder espiritual dos deuses”, compara. De tão frutíferos, os encontros com Senna renderam alguns contos que Martien escreveu e em breve espera publicar. O livro deverá se chamar O monge espiritual nas pistas de corrida, e seu autor assim encontra uma boa deixa para esclarecer que os gurus de hoje não usam batinas e nem se isolam nas montanhas. Martien está convencido de que Senna foi um deles. “O universo é muito inteligente”, comenta com seu peculiar bom humor.

A técnica de Martien, que o faz ser procurado até por entidades desencarnadas, tem seu lastro na congruência entre várias áreas. Ele transitou tranqüilamente pela Arte, Educação e Parapsicologia e este trânsito lhe deu uma fluência que conquistou pessoas detentoras de poder (o vice governador de Curaçao o tornou conselheiro, como faziam os reis, na Idade Média, com os magos e astrólogos e, no Egito, os faraós, com os sacerdotes). Martien foi executor de projetos de relações públicas para problemas ambientais em Utrecht, ensinou na Faculdade de Educação da Escola Politécnica dos Países Baixos e foi professor convidado de várias instituições para ensinar matérias como Cibernética dos Processos da Morte, Artes Psíquicas e Comportamento Energético na Arte Textual.
A amplitude  de sua abordagem o leva a falar tanto em hospitais psiquiátricos quanto em organizações políticas, companhias de radiodifusão e instituições para prevenção no uso de drogas.

A bagagem de sua pesquisa é responsável por isto. Na busca de sua evolução espiritual, Martien Verstraaten estudou temas aparentemente antagônicos como as oficinas japonesas do tempo do corpo e o desenvolvimento da antropologia religiosa (estudos que compreendem por exemplo, o candomblé [ii], tema que o estudioso se aprofunda agora, em sua visita à Bahia).

Todo o conhecimento e experiência que vem adquirindo ao longo de uma vida sem fronteiras interdimensionais levam Martien a ver com grande utilidade seu trabalho como treinador espiritual. Ele afirma que 50% das crianças hoje têm mais despertos seus poderes paranormais e que isto determina que novos conceitos na educação precisam substituir os já existentes.

O novo paradigma do mundo, segundo o paranormal holandês, sinaliza para a total transformação de valores e modelos. “Eu acho que em cada país o Ministério da Cultura deveria ser o mais importante, porque dentro da cultura estão a religião e a espiritualidade e nelas você pode encontrar o mote da nova sociedade”, afirma.

Segundo Martien, no futuro as decisões serão tomadas para o bem-comum e o parlamento político as fará em concordância com as necessidades do parlamento astral. Com sua visão clarividente, ele afirma que enxerga um planeta em franca transformação. “Esta é a senha”, diz. “Quem não acompanhar a evolução da Terra não conseguirá fazer parte dela”. O novo mundo, de acordo com este homem que desconhece a essência dos limites entre os universos, será indistintamente espiritual.

 


[i] Desencarnar – Deixar a carne; passar para o mundo espiritual.
[ii]
CandombléReligião introduzida no Brasil com escravos, principalmente de regiões dos atuais estados da Nigéria e do Benim, na qual crentes novos e ancestrais, reais ou míticos, eram divinizados em cultos públicos ou secretos.